Escrito por Larissa Chinaglia

Já pensou em vender roupas, sapatos e outros acessórios usados? Então descubra como montar um brechó e seja um empreendedor.

Há um bom tempo, os brechós deixaram de serem visto como ambientes de roupas velhas e mofadas para serem grandes sucessos.

Seja para economizar, para encontrar o seu estilo ou até mesmo para se tornar uma pessoa mais sustentável, as compras em brechó vêm crescendo bastante!

Segundo o Resale Report 2020, da ThredUP, o setor de usados cresceu 25 vezes mais rápido do que o varejo de moda tradicional (dados referentes ao ano de 2019).

Com isso, as projeções dizem que o mercado de segunda-mão somará U$ 80 bilhões e terá o dobro do tamanho do ramo de fast fashion dentro de oitos anos.

Ao longo desse conteúdo vamos abordar alguns temas importantíssimos para quem está pensando em abrir um brechó. Afinal, para empreendermos, precisamos conhecer o nosso e qual o propósito que nossa marca terá.

Por que os brechós estão em crescimento?

Com a pandemia, todo mundo teve que economizar, não é verdade? Os preços aumentaram, empregos foram perdidos, e assim por diante.

Porém o crescimento do brechó começou antes. Entre os principais motivos para essas lojas terem se tornado tendência está a sustentabilidade e os impactos negativos da indústria da moda.

Segundo uma pesquisa realizada pela Fiep e publicada no G1, 87% dos consumidores afirmaram preferir empresas sustentáveis.

Não é à toa que assim como os brechós, o empreendedorismo sustentável tem ganhado muito espaço.

Para entender mais sobre esse tema, vamos analisar os principais impactos da indústria da moda: no meio ambiente, nos animais e em questões sociais.

O impacto da moda no meio ambiente

A moda não é nada inofensiva quando o assunto é meio ambiente.

A indústria da moda é responsável por 8% da emissão de gás carbônico na atmosfera, ficando atrás apenas do setor petrolífero.

Além disso, acredita-se que essa indústria seja a segunda maior consumidora de água, gastando cerca de 1,5 trilhões de litros por ano, segundo a Global Fashion Agenda.

O impacto da moda nos animais

A moda também influencia matança ilegal de animais e os crescentes maus tratos.

Ainda são produzidas roupas de couro, lã, seda, pluma e entre outros materiais de origem animal – e que envolvem muita violência.

Em uma campanha, a PETA (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais), disse:

“A beleza muitas vezes cega as pessoas da crueldade”.

Assim, mostrando que poucas pessoas se conscientizam das crueldades que os animais passam para serem objetos de moda.

O impacto da moda em questões sociais

Também não surpreende muitas pessoas que a moda está bastante relacionada ao trabalho escravo ou a condições subumanas de trabalho.

A indústria da moda violenta 1 milhão de mulheres costureiras, segundo matéria.

Essas mulheres trabalham no mínimo 14 horas por dia, boa parte dorme no ambiente de trabalho e muitas ainda relatam assédio moral e sexual.

Vale reforçar que trouxemos apenas alguns dados, e que os impactos da indústria da moda são bem maiores (e bem mais tristes também). Recomendação de matéria: O custo por trás da indústria da moda é maior do que você pensa.

Consumo consciente e compras em brechó

Antes de descobrir como montar um brechó, você precisa conhecer mais sobre o consumo consciente. Já está familiarizado com esse termo?

Como falamos acima, a indústria da moda tem muitos impactos negativos. Dessa forma, consumir de forma consciente evita o descarte de peças rapidamente.

Esse movimento vai contra as fast fashion – marcas que produzem muitas coleções de roupas ao ano e de baixa qualidade.

Para ser um consumidor consciente, por exemplo, você deve pensar “será que realmente estou precisando disso?”. E além da moda, essa ideia pode ser levada para qualquer compra.

Glossário da moda que você precisa conhecer antes de abrir um brechó:

  • Slow fashion – poucas e pequenas coleções, consumir de forma mais lenta e consciente, com roupas de maior qualidade e maior durabilidade
  • Minimalismo – ter menos coisas, ou no caso da moda, comprar menos roupas, mas comprar as corretas, que combinem entre si
  • Ecofashion – também chamado de moda sustentável são peças que tiveram uma preocupação ecológica para serem feitas, com materiais mais sustentável, por exemplo.

7 dicas de como montar um brechó

Agora que você já conhece alguns impactos da moda, chegou o momento de descobrir como montar um brechó. Separamos as principais dicas que você precisa conhecer!

Montar um brechó é diferente de desapegar de peças

Uma ótima forma de como ter renda extra é desapegar de algumas peças que você tem paradas no seu guarda-roupa, certo?

Isso pode até ser um começo para entender o seu sonho, mas não é como se monta um brechó!

Abrir um brechó é abrir uma loja de roupas (de móveis ou de quaisquer outros objetos de segunda mão que você tenha em mente). A energia que você gastará será muito maior, assim como o investimento e tempo.

Saiba o motivo de você querer abrir o brechó

Não é por menos que trouxemos todos os pontos acima. Abrir um brechó exige propósito e conhecimento.

Boa parte do seu público-alvo estará em busca de compras mais conscientes, e por isso é fundamental que você saiba os impactos da moda e o porquê seus consumidores vão até você.

Abrir um brechó simplesmente porque é legal ou está em crescimento não será suficiente para garantir o seu sucesso como empreendedor. Entenda qual é a motivação por trás do seu sonho!

Descubra qual será seu nicho

Você pode, sim, montar um brechó mais genérico sem um nicho bem definido. Mas será que você vai se destacar da concorrência?

Escolher trabalhar apenas com um segmento pode te ajudar a se tornar referência no assunto, e ser sempre buscado por aquilo. Enquanto alternativas mais genéricas dividem bastante a procura.

Claro, isso depende muito da sua vontade, dos seus sonhos e da região que você irá trabalhar. Afinal, você precisa considerar qual será a sua demanda.

Você pode apostar em diversos nichos, como brechós de luxo, plus size, roupas de festa, entre outros.

O For Boy Brechó é um exemplo voltado para o nicho masculino.

Entenda seu público-alvo

Depois de definir qual será o seu nicho, você precisa conhecer o seu público-alvo, ou seja, conhecer para quem você vai vender.

Saber essa resposta te dará diversos direcionamentos, tanto na hora de escolher as peças que deseja vender quanto em como fazer a sua divulgação.

Assim como comentamos acima, outra marca que também trabalha com o público masculino é a Homebrechó. Conhecendo quem são seus consumidores, esse brechó sabe exatamente o que proporcionar para cada pessoa que comprar com eles.

Faça o planejamento do seu brechó

Sem planejamento, a chance do seu brechó fechar em poucos anos é muito alta – e um empreendedor sabe que não pode só contar com a sorte para ter sucesso.

Por isso, uma das principais dicas de como montar um brechó é criar um plano de negócio.

Antes mesmo que sair escolhendo as peças ou descobrindo qual é o melhor lugar para vender, pesquise, estude e planeje muito. Combinado?

Capriche muito nas fotos

Seja para o seu brechó online ou apenas para as publicidades nas redes sociais, uma coisa é essencial: fotos.

E se engana quem pensa que apenas quem tem muito dinheiro consegue tirar fotografias perfeitas e que vendem muito. Você consegue fazer isso na sua casa e com o seu celular, basta conhecer alguns truques.

Veja como tirar fotos de produtos para vender!

Se formalize

Para começar com o pé direito é importante que você busque a formalização do seu brechó. Para quem está começando, a dica é abrir um CNPJ MEI.

No caso do brechó, você atuará como comerciante de artigos usados independente. Para abrir o seu CNPJ MEI, você precisará informar qual é a sua atividade principal, ou seja, o seu CNAE:

CNAE 4785-7/99 – Comerciante De Artigos Usados

Ao se formalizar como MEI, você precisará pagar um imposto mensal, o DAS MEI – que não ultrapassa os R$ 66,60 (em 2022).

Com o pagamento do DAS MEI, você passará a ter acesso aos benefícios do INSS, como salário maternidade, auxílio doença e aposentadoria.

E as vantagens de ter CNPJ MEI não param por aí!

E muito mais!

Quanto irá custar as peças do meu brechó?

Infelizmente a resposta é clássica: depende.

Depende de quais marcas você irá vender, qual será a qualidade das peças, e principalmente como será a sua curadoria.

A curadoria de um brechó pede que você vá atrás de peças em bazares, compre as melhores e as que estão dentro do perfil da sua loja, faça o tratamento necessário nelas (como reformas e higienização), e assim por diante.

É através dessa curadoria que o seu brechó vai se diferenciar do bazar da igreja, por exemplo. E dessa forma, você poderá cobrar um valor que inclua a peça e a sua mão de obra.

Além disso, se você for abrir um brechó online, por exemplo, deve levar em consideração todo a estrutura de uma loja online ou a comissão ou aplicativos de vendas.

Veja como precificar um produto!

Canais de venda para brechó

  • Você já sabe por quais motivos decidiu abrir um brechó
  • Também já conhece as principais dicas de como abrir um brechó
  • Sabe o quanto deve cobrar por suas peças

Agora, onde você irá vender?

Loja colaborativa

As lojas colaborativas são ótimas oportunidades para quem está começando e tem o sonho da loja física.

Essa é uma forma de apresentar sua marca ao público com um investimento menor, e em um lugar que já tem um público-alvo fiel.

Para quem ainda não conhece, a loja colaborativa é um ambiente físico dividido por diferentes comércios, e faz parte da economia colaborativa.

Um exemplo é a Endossa, uma loja colaborativa presente em algumas cidades do Brasil. Veja como é a unidade da Augusta, em São Paulo:

Loja física

Montar uma loja física é sempre uma ótima opção.

Nesse caso, vale dar uma ênfase especial para o seu planejamento financeiro empresarial, contando com algumas contas, como aluguel, luz, água, internet, entre outras.

Para ter ainda mais diferencial no seu brechó, vale apostar com força na decoração da sua loja.

Veja o exemplo do Brechó El Gato, de São Paulo:

Brechó online

Se o seu sonho inclui vender para todo o Brasil, você pode apostar nos brechós online.

Veja o exemplo do 𝗕𝗿𝗲𝗰𝗵𝗼 𝗟𝗶𝘃𝗲 𝗶𝗻 𝟵𝟬’𝘀, ele é totalmente online. A marca faz “garimpamos em pequenos bazares, brechós e em feiras beneficentes da nossa região. Selecionamos as melhores peças, observamos os detalhes que dão o encanto à cada roupa, desde os modelos vintages aos mais atuais.”

Além do site oficial, a marca também vende na Shoppe – uma plataforma de e-commerce.

Redes sociais

Outra alternativa bastante indicada para quem está começando é vender pelas redes sociais.

O Facebook, por exemplo, tem o F-commerce, o e-commerce exclusivo da rede social. O Instagram também tem uma aba exclusiva para comerciantes, onde você pode vender suas peças garimpadas.

Dica de conteúdo extra:

Ah, e não deixe de responder as dúvidas e críticas nas redes sociais, combinado?

O Penny Lane Brechó, por exemplo, vende suas peças pelo Instagram e pelo Whatsapp.

Feiras de brechó

Já pensou em vender em feiras de brechó? Pode ser sua única fonte de renda, mas o perfeito mesmo é alinhar esse canal de venda a um dos anteriores.

Cada cidade tem as suas feiras especificas, que podem durar dias ou serem mais esporádicas, e são ótimas oportunidades de venda. Afinal, é um ambiente aberto que traz gente de todo lugar para conhecer a sua marca (e tantas outras).

Além de especificas de brechó, você pode encontrar diferentes feiras que combinam com a sua marca, e assim atrair muito mais consumidores.

Para participar como expositor, você precisa se atentar aos prazos de inscrição. E para se destacar, vale dar uma atenção especial ao atendimento ao cliente e a forma como você expõe os seus produtos.

Veja o exemplo da Feira Novo do Novo, uma feira de Brechós que acontece desde 2018 em São Paulo:

Descobriu como montar um brechó? Já tem planos para sua microempresa?

Não deixe de compartilhar com a gente no Grupo do Facebook. Além disso, se inscreva na nossa newsletter para ficar por dentro de tudo que acontece aqui no Blog MEI Fácil.