Pensando em como abrir o primeiro negócio para se tornar um empreendedor e conquistar sua independência financeira?

De acordo com  o relatório Global Entrepreneurship Monitor (GEM) do Sebrae, divulgado pelo Seu Dinheiro, 46% dos brasileiros sonham em abrir uma empresa.

Hoje, o país tem 43 milhões de empreendedores ativos e uma taxa de empreendedorismo de 9,9%. Ou seja: os números encorajam quem quer se tornar seu próprio chefe e comandar um negócio.

E claro que a forma mais fácil de empreender é se tornar um microempreendedor individual (MEI) — a categoria empresarial mais simples, acessível e democrática do país.

A seguir, você vai entender como abrir o primeiro negócio do zero e conferir dicas valiosas para começar do jeito certo.

Como abrir o primeiro negócio em 8 passos

Acompanhe o passo a passo essencial de como abrir o primeiro negócio no Brasil sem dificuldades.

1. Escolha o ramo de atividade

Se você vai abrir seu primeiro negócio, precisa começar pela escolha do seu ramo de atuação.

Muitos empreendedores começam com um negócio ligado à sua área profissional, como um fotógrafo que decide abrir seu estúdio ou um cabeleireiro que finalmente abre seu próprio salão.

Também tem quem prefira dar continuidade na empresa familiar, seguindo os passos que a família já conhece e domina.

Esse é um caminho interessante, pois você já tem familiaridade com o segmento do negócio.

Mas essa não é a única possibilidade. Muitas pessoas também acabam largando uma profissão para se dedicar a uma paixão, como um advogado que resolve abrir um espaço de terapia holística ou uma professora apaixonada por animais que realiza o sonho de ter uma petshop.

Nesse caso, um hobby pode se transformar em um negócio lucrativo.

Mas lembre-se: independentemente da área de atuação que você escolher, é importante estudar o mercado para ter certeza de que há demanda e espaço para lucrar.

De modo geral, você deve levar três critérios em conta:

  • Familiaridade e preferência pela área;
  • Conhecimento e experiência adquiridos;
  • Cenário atual do segmento e tendências para os próximos anos.

2. Encontre sua oportunidade no mercado

Todo negócio começa com a descoberta de uma oportunidade de mercado.

Um belo dia, você olha para o seu público-alvo — ou seja, quem será seu consumidor assim que você abrir seu negócio — e pensa “por que ainda não oferecem produto X ou Y para essas pessoas?” ou “por que há tão poucas opções desse item no mercado?”.

Essa é a brecha que você precisa para entrar na disputa e oferecer um valor maior do que o da concorrência para os consumidores.

Estes são alguns exemplos de oportunidades que podem surgir:

  • Um produto/serviço inovador que ninguém pensou em vender (ex.: serviços de streaming de filmes que derrubaram as locadoras);
  • Uma nova forma de vender um produto/serviço de alto consumo (ex.: venda online, delivery, drive-thru, clube de assinatura);
  • Uma nova opção de produto/serviço para aumentar a competitividade em determinado segmento (ex.: pizzaria com sabores diferenciados, lavanderia com entrega rápida);
  • Um produto/serviço que atende a um nicho bem específico (ex.: marmitas fit e veganas, loja de produtos geek).

O importante é que seu negócio supra uma necessidade não atendida dos clientes e tenha espaço no mercado no qual você pretende atuar.

3. Valide sua ideia

Todo empreendimento tem seus riscos, mas você pode reduzir as incertezas validando sua ideia antes de abrir a empresa.

É o que as startups fazem quando lançam um protótipo ou fazem pesquisas com pessoas reais para confirmar o interesse em seus produtos ou serviços.

Inclusive, você pode fazer a mesma coisa sendo microempreendedor individual, mas de um jeito mais simples.

Basta observar o seu público, conversar com potenciais clientes e estudar sua concorrência para entender se realmente existe demanda no mercado que você escolheu.

Basicamente, você precisa descobrir se as pessoas pagariam pelo seu produto/serviço antes de investir tudo nessa ideia.

4. Defina seu modelo de negócio

Definir um modelo de negócio significa planejar como você vai ganhar dinheiro com a sua MEI.

Será uma loja física com um estoque próprio? Um e-commerce com dropshipping? Uma marmitaria que funciona no esquema dark kitchen — ou seja, oferece comida apenas para viagem?

Existe uma ferramenta interessante que pode ajudar você chamada Business Canvas (ou “Quadro de modelo de negócios”).

Nesse quadro, você consegue resumir todas as informações sobre o modelo de negócio da sua empresa, como recursos-chave, canais de venda, relacionamento com o cliente, estrutura de custos, fonte de renda, etc.

Veja um exemplo para preencher:

Imagem de um Business Canvas

Fonte: ABStartups

5. Faça um bom plano de negócio

O plano de negócio é um roteiro que define como sua empresa vai funcionar, quanto será preciso investir, qual será o público-alvo, e várias outras informações fundamentais.

Em resumo, estes são os elementos que não podem faltar no seu planejamento:

  • Nome da empresa e área de atuação
  • Definição do público-alvo e perfis
  • Descrição do produto/serviço e seus diferenciais
  • Definição dos canais de venda
  • Estratégia de venda
  • Análise do mercado (índices econômicos, oportunidades, ameaças, etc.)
  • Análise de concorrência
  • Capital social necessário
  • Capital humano necessário (se for preciso um funcionário)
  • Plano operacional (produção, estoque, logística, etc.)
  • Planejamento financeiro (formação de preço, capital de giro, projeção de vendas, custos, etc.)
  • Plano de marketing
  • Indicadores e resultados esperados.

6. Estude o básico de gestão

Muitos empreendedores iniciantes acabam fracassando por falta de capacitação na área de gestão.

Mesmo sendo um microempreendedor individual (MEI), você precisa entender o básico sobre esse universo para ter sucesso com um pequeno negócio.

Afinal, como você vai comandar uma empresa sem saber analisar um fluxo de caixa, montar um orçamento ou negociar com um fornecedor?

Confira 6 cursos do Sebrae que todo MEI deveria fazer.

7. Formalize seu negócio

Agora que você está com tudo pronto para abrir seu primeiro negócio, é hora de escolher como formalizar sua empresa.

No Brasil, existem vários tipos de CNPJ que você pode usar para registrar seu empreendimento, dependendo das suas condições e necessidades.

Para pequenas empresas, as principais opções são:

  • Microempreendedor Individual (MEI): único tipo de empresa que pode ser aberta pela internet de forma gratuita, além de ter os menores impostos entre todas as categorias. É exclusivo para quem fatura até R$ 81 mil ao ano e não tem sócios;
  • Empresário Individual (EI): é um tipo de CNPJ individual para quem quer abrir empresa sem sócios, podendo ser Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte (EPP);
  • Sociedade Limitada Unipessoal (SLU): alternativa à Eireli ( que foi encerrada em 2021), que permite abrir empresa individual sem precisar de capital social alto;
  • Sociedade Limitada (LTDA): opção mais comum para quem quer abrir empresa com sócios e de responsabilidade limitada.

Você deverá registrar sua empresa de acordo com a expectativa de faturamento e o quadro societário.

Além disso, também terá que escolher um dos regimes tributários disponíveis no país — Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido.

Qual a diferença entre MEI e Simples Nacional para empresas?

8. Comece a divulgar sua empresa

Assim que você abrir seu primeiro negócio, já pode começar a investir em divulgação para conquistar seus primeiros clientes.

Uma dica é fazer algum tipo de promoção de inauguração para chamar a atenção.

Se for um negócio local, você pode buscar estratégias para ficar conhecido no “boca a boca” como parcerias com outras lojas, cartão fidelidade e brindes, e usar ferramentas digitais como o Google Meu Negócio.

Se for uma loja online, vale a pena investir em marketing digital para alcançar mais pessoas na internet.

Veja aqui dicas e ideias para divulgar sua marca do zero.

Checklist do seu primeiro negócio

Agora que você sabe como abrir seu primeiro negócio, vamos recapitular os principais pontos:

  • Escolher um ramo de atividade familiar e com bom potencial de vendas;
  • Encontrar uma oportunidade no mercado, que pode ser uma demanda não atendida, um produto inovador, uma nova forma de vender algo, etc.;
  • Validar a ideia junto ao público-alvo para verificar se existe mesmo uma demanda;
  • Definir um modelo de negócio e operação (loja física, e-commerce, food truck, etc.);
  • Criar um plano de negócio com todos os detalhes de funcionamento (definição do público-alvo, análise do mercado e concorrência, capital inicial, plano de marketing e financeiro, etc.);
  • Buscar capacitação em gestão de negócios;
  • Formalizar o negócio para obter seu CNPJ;
  • Começar a divulgar a empresa para conquistar os primeiros clientes.

Principais desafios ao abrir o primeiro negócio

Entender como abrir o primeiro negócio também significa lidar com os obstáculos que vão aparecer no caminho.

Conheça os principais desafios que você terá que enfrentar.

Lidar com as incertezas do mercado

Por mais que você planeje o seu negócio, o mercado tem seus altos e baixos, que nem sempre são previsíveis.

A pandemia da covid-19, por exemplo, trouxe uma crise totalmente inesperada que obrigou muitos empreendedores a se reinventarem para evitar a falência.

Da mesma maneira, movimentos menores podem afetar seu segmento, e você precisa de preparo para lidar com qualquer situação ao abrir seu próprio negócio.

Uma forma de se preparar é trabalhar sempre com três tipos de cenários: um pessimista, um otimista e um realista.

Assim, você sempre saberá como agir quando os planos não saírem exatamente como o esperado, sem desistir em nenhum momento.

Organizar a gestão do negócio

Não é fácil deixar de ser funcionário e assumir a gestão de um negócio próprio.

Você terá que assumir muito mais responsabilidades e, no início, se desdobrar em inúmeros papéis para dar conta da empresa.

Se for empreender sem sócios, por exemplo, terá que comprar de fornecedores, controlar o estoque, vender, cuidar da gestão financeira, acompanhar a contabilidade e várias outras tarefas simultâneas.

Por isso, é importante se capacitar para a gestão da empresa e, com o tempo, contratar pessoas e delegar funções para evitar a sobrecarga.

Calcular o capital necessário

Saber como abrir o primeiro negócio também envolve um planejamento financeiro minucioso.

É preciso calcular os custos para a estrutura da empresa, formalização, compra de estoque, contratação de pessoas, e ainda estimar o capital de giro necessário para o funcionamento da empresa nos primeiros meses.

Afinal, o negócio pode levar meses para começar a dar lucro — e até lá, você precisa de reserva em caixa para cumprir suas obrigações.

Conseguir um diferencial competitivo

Ter um diferencial competitivo significa se destacar da concorrência devido aos pontos fortes do seu negócio.

Você pode se diferenciar pelo preço, custo-benefício, forma de prestação de um serviço, qualidade de um produto, atendimento, entre outros aspectos.

Só que, no início de um negócio, é difícil definir essa vantagem competitiva, principalmente se você não tem muito conhecimento da concorrência.

Muitas vezes, só a experiência mostra qual o diferencial mais marcante da empresa e ajuda o empreendedor a investir no ponto certo.

Conquistar os primeiros clientes

Por fim, um dos grandes desafios ao abrir o primeiro negócio é conseguir os primeiros clientes.

Para isso, você deve ter um investimento mínimo em divulgação, cuidando para que seu público-alvo saiba da existência do seu negócio.

Também é preciso investir na prospecção de potenciais clientes.

Para começar, uma promoção de inauguração com um bom desconto pode ser um chamariz para formar sua primeira clientela.

Como abrir o primeiro negócio com pouco dinheiro?

Para quem está começando sozinho e com investimento baixo, a melhor opção é o MEI, criado para facilitar a formalização de trabalhadores autônomos e pequenos negócios.

Nessa categoria, você pode obter seu CNPJ pela internet de forma gratuita e só precisa pagar uma contribuição mensal (DAS MEI) de valor acessível para manter sua empresa.

Assim, pode emitir nota fiscal, abrir conta jurídica, negociar com empresas, entre outras atividades profissionais.

Sabia, por exemplo, que o MEI tem direitos previdenciários e do INSS, como aposentadoria, auxílio-maternidade, auxílio-doença e pensão para casos de reclusão ou morte?

Além da possibilidade de contratar um plano de saúde, comprar um carro com até 30% de desconto, facilidade de conseguir crédito e muito mais!

E o melhor: o processo é muito simples, pode ser feito 100% online e garante seu CNPJ na hora.

Veja aqui como abrir uma MEI passo a passo.

Primeiro negócio funcionando: o que vem por aí?

Assim que você abrir seu primeiro negócio, novos desafios surgirão a todo momento na sua gestão.

Nesse início, é importante que você siga algumas dicas para superar os obstáculos:

  • Fique atento ao precificar seu produto ou serviço, pois o preço de venda deve ser suficiente para cobrir os custos do negócio e ainda gerar lucro;
  • Acompanhe o fluxo de caixa da empresa, registrando todas as entradas e saídas;
  • Procure alinhar as datas de pagamento de contas da empresa com as datas de recebimento, para não criar “rombos” no caixa ou ter que aumentar seu capital de giro;
  • Procure construir relações de confiança com seus fornecedores para conseguir condições melhores;
  • Invista em uma boa experiência de compra para fidelizar seus clientes e aumentar seu faturamento em longo prazo;
  • Ofereça um excelente atendimento ao cliente como diferencial;
  • Crie promoções como liquidações, descontos e brindes para aumentar suas vendas.

 

Entendeu como abrir o primeiro negócio e prosperar? Continue acompanhando nossos conteúdos para tirar todas as suas dúvidas.

Inscreva-se também na TV MEI Fácil e acompanhe as redes sociais para não perder nenhuma novidade: Instagram e Facebook.