O mercado erótico pode não ser a sua primeira ideia de empreendedorismo, mas está valendo muito a pena atualmente.

Os velhos tabus sobre sexualidade estão ficando para trás e abrindo espaço para um setor promissor, cheio de oportunidades de negócio.

E o melhor é que você pode ter sucesso na venda de produtos eróticos sendo MEI, pois muitos empreendedores do segmento começam sozinhos.

Vamos conhecer melhor o mercado erótico e suas possibilidades nos tópicos a seguir:

Siga a leitura e veja como abrir seu sex shop sem mistérios.

Mercado erótico: uma bela oportunidade de negócio

O mercado erótico vem crescendo na mesma velocidade em que os tabus são quebrados na sociedade.

Hoje, buscar uma sexualidade saudável e comprar produtos de sex shops não é mais motivo de constrangimento — e se tornou um negócio altamente promissor.

Segundo uma pesquisa do Portal Mercado Erótico divulgada na PEGN, o número de empreendedores que atuam no setor triplicou, chegando a 100 fornecedores, 9 mil pontos de vendas e 50 mil vendedores.

A maior parte são mulheres (76,13%), e quase metade (47%) trabalha por conta própria, sem funcionários.

Durante a pandemia do coronavírus, o salto nas vendas do mercado erótico foi de impressionantes 475%, segundo um levantamento das plataformas Zoom e Buscapé publicado na CNN Brasil.

Os principais públicos que impulsionaram o setor foram casais que passaram a conviver mais intensamente na quarentena e solteiros que aproveitaram o isolamento para explorar sua sexualidade.

Além disso, a migração generalizada para o e-commerce contribuiu para aumentar ainda mais as vendas.

Mesmo antes da pandemia, o setor já faturava mais de R$ 2 bilhões anuais e vinha crescendo ano após ano, segundo uma pesquisa do Portal Mercado Erótico publicada na CNN Brasil.

Logo, a tendência é que o mercado erótico continue crescendo e abra espaço para mais empreendedores.

Vale a pena abrir um sex shop sendo MEI?

Como vimos, o mercado erótico está em plena expansão e é marcado pela presença de microempreendedores.

Então, é claro que vale a pena abrir um sex shop sendo MEI, se você busca uma oportunidade de conquistar sua independência financeira em um setor promissor.

Mesmo que você não tenha muita experiência na área ou nunca tenha pensado nessa possibilidade, é um mercado bastante aberto e com muita informação acessível na internet.

Prova disso é que muitas pessoas começam a atuar com a venda de produtos eróticos como forma de ganhar renda extra.

Além disso, é uma ótima área para vender online, pois boa parte dos clientes prefere uma entrega discreta em vez da compra em lojas físicas.

Como o MEI pode atuar no mercado erótico

Existem várias possibilidades para a MEI atuar no mercado erótico e aproveitar o crescimento da área.

A mais comum é a abertura de um sex shop, seja uma loja física ou loja online.

Existem vários e-commerces que vendem brinquedos eróticos, camisinhas, contraceptivos, lubrificantes, sprays, lingeries, entre outros itens.

Outra possibilidade é empreender no ramo de conteúdo com sites, plataformas e redes sociais voltadas ao assunto.

Há ainda quem preste serviços de consultoria e coaching na área de sexualidade.

CNAE para negócio no setor erótico

A Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) mais usada para formalizar negócios eróticos é o de Comércio Varejista De Outros Produtos Não Especificados, que corresponde ao código 4781- 4/00 e é voltado para comerciantes de artigos eróticos.

Lembrando que ele serve apenas para quem vai abrir uma sex shop e vender produtos diretamente para o consumidor final.

Para outras atividades, você deverá consultar um contador para registrar sua MEI corretamente.

Você pode conferir essa e outras CNAEs na nossa lista de atividades MEI permitidas.

7 dicas para ter um sex shop

Se você ficou interessado em empreender no mercado erótico, temos algumas dicas para ajudar nessa jornada.

Veja como começar seu sex shop do zero.

1. Conheça melhor o mercado

O mercado erótico é um dos mais inexplorados, justamente pelos tabus que rondam esse tipo de negócio, que só agora estão sendo superados.

Então, é importante pesquisar muito e entender como funciona esse setor com um olhar livre de preconceitos e uma visão de empreendedor.

Hoje, o bem-estar sexual é uma pauta comum, e os produtos e serviços ligados a esse universo estão cada vez mais populares.

Então, se você nunca entrou em um sex shop ou acessou um e-commerce de itens eróticos, esse é o momento de entender como funciona esse mercado.

2. Escolha um público-alvo

O público que consome produtos eróticos é muito variado e há espaço para diversos nichos de mercado.

Segundo dados do Portal Mercado Erótico publicados no Estado de Minas, a maioria dos clientes de sex shops é formada por mulheres que têm entre 25 e 34 anos, mas a fatia de homens cresce cada vez mais.

As mulheres são um excelente público-alvo porque veem nos produtos eróticos uma via de empoderamento, e estão dispostas a explorar sua sexualidade antes reprimida.

Mas os homens também têm ficado mais curiosos a respeito desse setor, assim como os idosos, o público LGBTQIA+, e até mesmo o público gospel.

Logo, cabe a você escolher um público-alvo com alto potencial de vendas e criar ofertas específicas para esse grupo.

3. Estude os concorrentes

Uma boa análise de concorrência vai ajudar você a entender quais produtos eróticos tem maior saída e como os sex shops trabalham sua comunicação com o cliente.

Então, não abra seu negócio antes de estudar os principais concorrentes diretos e indiretos do seu segmento.

4. Procure por bons fornecedores

Ter bons fornecedores é um dos maiores desafios do mercado erótico, pois são poucos fabricantes nacionais e não é tão fácil importar produtos.

Segundo uma pesquisa publicada na PEGN, 28,9% dos empreendedores do setor afirmam ter dificuldade para encontrar os produtos que necessitam.

Logo, você terá que focar na busca de parceiros e também na negociação de preços para conseguir uma boa margem de lucro no seu sex shop.

5. Capriche nos produtos

Os clientes de sex shops são muito abertos a novidades e estão sempre em busca de produtos inovadores.

Para você ter uma ideia, estes são os produtos mais vendidos atualmente, segundo dados do Portal do Mercado Erótico:

  1. Bullet
  2. Lubrificante íntimo
  3. Gel térmico
  4. Gel para massagem corporal
  5. Calcinha Tailandesa.

Se você não é especialista nesses itens, é melhor se aprofundar na pesquisa para oferecer o que há de melhor e mais moderno para seus clientes.

Aproveite e veja como precificar um produto.

6. Venda online e pelas redes sociais

Vender pela internet no mercado erótico é um grande negócio, pois você tem custos muito menores do que os de uma loja física e alto potencial de lucro.

Além disso, o consumidor prefere a comodidade de comprar online e receber seus produtos de forma discreta, já que se trata de uma intimidade.

Para completar, redes sociais como Instagram e Facebook são excelentes canais de venda para produtos eróticos.

7. Produza conteúdo

Se você olhar para os sex shops do mercado, vai perceber que a grande maioria aposta na produção de conteúdo para alavancar suas vendas.

São textos, imagens, vídeos e outras mídias que ensinam o consumidor a utilizar os produtos, promovem a educação sexual e valorizam a busca do prazer solo ou a dois.

Essas ações de marketing são importantíssimas para atrair clientes no mercado erótico, desmistificar o assunto e ajudar pessoas a construir uma relação mais saudável com sua sexualidade.

Então, vale a pena investir em um blog e criar publicações engajantes em redes sociais para divulgar sua marca.

Exemplos de sucesso no mercado erótico

Não faltam exemplos de pequenas empresas que pegaram carona no crescimento do mercado erótico.

A Pantynova nasceu com a proposta de empoderar mulheres e pessoas LGBTQIA+ por meio de produtos eróticos, iniciando suas atividades em 2018 com a produção de strap-ons (cintas penianas) e dildos (peças fálicas sem vibração).

Em apenas dois meses, a marca vendeu toda a sua coleção de lançamento e recuperou o investimento, e desde então cresceu mais de 400%.

Já a loja online Miess apostou em linhas exclusivas de produtos eróticos para o público evangélico.

Na categoria das microempresas, a Na Ponta da Língua é um exemplo de empresa nova que explora as redes sociais para vender online.

Outro exemplo de pequena empresa é o sex shop Bis.Coitando, focado em bem-estar sexual e inclusão.

Por fim, os clubes de assinatura de produtos eróticos também têm feito sucesso, e um bom case para se inspirar é o SC.Box.

E então, ficou inspirado para empreender no mercado erótico?

Agora é só conferir nosso passo a passo para abrir uma MEI e colocar a ideia em prática.