A mulher caminhoneira vem conquistando seu espaço nas estradas e provando que lugar de mulher também é na boleia do caminhão.

Elas são fortes, competentes e ao mesmo tempo cautelosas na direção, o que justifica o crescimento do número de motoristas femininas de veículos pesados.

Neste artigo, você vai conhecer as oportunidades desse mercado e entender como se tornar uma mulher caminhoneira de sucesso.

Continue lendo e embarque nessa profissão promissora para as mulheres, e bora alavancar o empreendedorismo feminino juntas? 💙

Veja o que é e quem tem direito ao auxílio caminhoneiro!

Por que ser uma mulher caminhoneira?

Ser uma mulher caminhoneira no Brasil era algo impensável até poucos anos atrás, mas, felizmente, essa realidade está mudando.

Cada vez mais mulheres apaixonadas pela estrada e por veículos de grande porte vencem o preconceito para seguir a profissão que desejam.

Essa mudança é reflexo de diversas conquistas femininas na sociedade, especialmente em relação à abertura do mercado de trabalho e ao combate à discriminação de gênero nas mais variadas ocupações.

Veja alguns motivos para tornar-se uma mulher caminhoneira e viver dessa profissão:

O número de caminhoneiras está aumentando

Hoje, já existem mais de 120 mil mulheres dirigindo caminhões pelas estradas brasileiras, segundo dados do Serviço Social do Transporte (SEST) publicados pela Agência Brasil.

O número de caminhoneiras ainda representa apenas 0,5% do total de caminhoneiros homens no país, conforme estimativa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), mas já é considerado um grande avanço em uma profissão antes exclusivamente masculina.

A expectativa é que as caminhoneiras continuem se multiplicando, abrindo espaço para mais mulheres que querem atuar na profissão, mas não o fazem por receio do preconceito.

As mulheres dirigem melhor

Outro motivo para se tornar uma mulher caminhoneira é que já ficou comprovado que as mulheres são mais cautelosas ao volante e reduzem drasticamente o risco de acidentes na profissão.

De acordo com uma pesquisa do Instituto Renault, 70% das infrações de trânsito são causadas por homens.

Além disso, 65% dos homens avançam no sinal amarelo. No universo das mulheres, apenas 15% fazem isso.

Outro dado importante que levou às estatísticas finais é que 71% dos acidentes de trânsito são causados por eles — e apenas 29% por elas.

Logo, é natural que os contratantes comecem a preferir as mulheres para conduzir os caminhões com mais cuidado e evitar acidentes que geram prejuízos incalculáveis.

É uma forma de alcançar a independência

A abertura de oportunidades para mulheres em novas profissões é fundamental para empoderar as trabalhadoras e trazer novas perspectivas de independência financeira.

Para mulheres que já convivem entre motoristas, por exemplo, é uma chance de ter uma profissão regulamentada e deixar de ser a “mulher do caminhoneiro” para se tornar “mulher caminhoneira”.

Isso significa ter sua própria renda e se afirmar como condutora de cargas, sem precisar depender de ninguém para prover o próprio sustento.

Lembrando que os rendimentos obtidos com a profissão superam os de outras ocupações tidas como “tipicamente femininas” como cuidadoras, diaristas, babás e recepcionistas.

Desafios da profissão caminhoneira

A profissão caminhoneira tem muitas oportunidades, mas também vários desafios que precisam ser superados.

Confira os principais:

Preconceito

Obviamente, o maior desafio que a mulher caminhoneira enfrenta ainda é o preconceito de gênero.

Ele vem de familiares, contratantes e colegas de profissão, uma vez que existe um estereótipo feminino associado à fragilidade e a ocupações mais leves que as afasta de veículos pesados de modo geral.

Os próprios caminhões não são pensados para facilitar a condução por mulheres, mas essa realidade tende a mudar com o aumento das caminhoneiras no país.

Assédio sexual

O assédio sexual é um problema sério para as caminhoneiras, pois elas se tornam “alvos” de homens nas estradas.

Por estarem sempre sozinhas, elas correm maior risco de serem assediadas por colegas de profissão, funcionários de postos e outros homens que não respeitam os direitos das mulheres.

Daí a importância de dar visibilidade às caminhoneiras e aumentar a conscientização sobre os perigos do machismo para essas profissionais.

Jornadas perigosas e exaustivas

É impossível falar em transporte de carga sem mencionar as jornadas perigosas e exaustivas que fazem parte da profissão.

Logo, a mulher motorista de caminhão deve estar preparada para enfrentar desafios como rodovias perigosas e esburacadas, assaltos de quadrilhas, ausência prolongada de casa, hospedagem em pensões precárias, noites mal dormidas, entre outros percalços.

Falta de infraestrutura

Nas estradas, as mulheres caminhoneiras enfrentam problemas de infraestrutura como a falta de banheiros femininos em postos de combustíveis e dificuldade em encontrar hospedagens seguras.

Esses obstáculos dificultam a jornada da condutora e aumentam a insegurança diante da necessidade de descansar e não ter um espaço próprio para isso.

Salários menores

Infelizmente, ainda é comum que as mulheres caminhoneiras recebam salários inferiores ao de seus pares homens devido ao preconceito.

Por isso, faz parte da missão da caminhoneira lutar pela igualdade salarial, uma vez que ela presta os mesmos serviços que o homem — muitas vezes, com mais qualidade e confiabilidade.

MEI pode ser caminhoneira?

Com a aprovação da Lei Complementar nº 188 de 2021 e a Resolução CGSN nº 165, o MEI caminhoneiro já está devidamente regulamentado no país.

Isso significa que as mulheres caminhoneiras podem se formalizar como microempreendedoras individuais de forma totalmente gratuita e online.

Saiba tudo sobre a categoria de MEI Caminhoneiro!

A nova Lei permite que a MEI Caminhoneira tenha um faturamento anual de até R$ 251,6 mil, desde que atue exclusivamente com transporte de cargas e se regularize com os seguintes CNAEs MEI:

  • 4930-2/01 — Transportador autônomo de carga — Municipal
  • 4930-2/02 — Transportador autônomo de carga — Intermunicipal, Interestadual e Internacional
  • 4930-2/03 — Transportador autônomo de Carga — Produtos Perigosos
  • 4930-2/04 — Transportador autônomo de carga — Mudanças.

Veja como abrir uma MEI passo a passo.

Vantagens do MEI

Com o MEI aberto, a caminhoneira tem uma série de direitos e vantagens, como por exemplo:

  • Possibilidade de emitir nota fiscal MEI e negociar diretamente com o cliente (permitindo a dispensa de agências de frete para intermediações, por exemplo)
  • Recolhimento do INSS via DAS MEI (alíquota é de 12% sobre o salário-mínimo)
  • Direito a benefícios previdenciários como auxílio-doença, auxílio-acidente, aposentadoria, auxílio-maternidade etc.
  • Direito de comprar automóveis com até 30% de desconto
  • Mais acesso a crédito e descontos diferenciados por estar na categoria de MEI
  • Possibilidade de contratar planos de saúde com valor mais acessível usando o CNPJ.

Como se tornar uma mulher caminhoneira

Se você está decidida a se tornar uma mulher caminhoneira, confira o passo a passo para se formalizar:

Prefira prestar serviços do que ser autônoma

De modo geral, as caminhoneiras que possuem CNPJ conseguem contratos mais bem pagos com empresas melhores, pois emitem nota fiscal.

Por outro lado, as autônomas não conseguem atender empresas grandes e, muitas vezes, têm rendimentos menores por atuarem como pessoas físicas.

Por isso, vale muito mais a pena se formalizar como MEI e prestar serviços de forma profissional do que ser autônoma.

Invista na sua profissionalização

Além de ter uma CNH com as categorias necessárias para a condução de caminhões e carretas (C, D e E), você também precisará investir em cursos profissionalizantes para se destacar no mercado.

Um dos mais comuns é o MOPP (Movimentação Operacional de Produtos Perigosos), que capacita a mulher para atuar com transporte de cargas perigosas e pode ser feito pelo SENAI ou SEST/SENAT.

Outro exemplo é o curso de Transporte de Cargas Indivisíveis (cargas com peso e/ou dimensões excedentes aos limites regulamentares).

Verifique se você atende aos requisitos do MEI

Para se tornar MEI Caminhoneira, existem alguns requisitos que precisam ser respeitados:

  • Não ter situação do CNPJ nula ou baixada
  • Exercer, exclusivamente e de forma independente, somente as ocupações da Tabela B do Anexo XI da Resolução CGSN nº 140, de 22/05/2018
  • Não ser domiciliado no exterior
  • Não possuir mais de um estabelecimento
  • Não participar de outra empresa como titular, sócio ou administrador
  • Não contratar mais de um empregado
  • Não realizar cessão ou locação de mão de obra
  • Não ter débito perante o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ou perante as Fazendas Públicas Federal, estadual ou Municipal, cuja exigibilidade não esteja suspensa
  • Ter feito inscrição em cadastro fiscal federal, municipal ou estadual/distrital, quando exigível, e ter cadastro em situação regular, observadas as disposições específicas relativas ao MEI
  • Não manter com o contratante do serviço relação de pessoalidade, subordinação e habitualidade, cumulativamente
  • Ter limite de receita bruta anual acumulada nos anos-calendário anteriores e em curso de até R$ 251,6 mil ou, no caso de início de atividades, de R$ 20.966,67 multiplicados pelo número de meses compreendidos entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro.

Se estiver tudo certo, você pode se formalizar online e gratuitamente pelo aplicativo MEI Fácil.

Faça seu marketing profissional

A caminhoneira também deve ter um bom marketing para promover sua imagem no mercado e conseguir contratos de diversos clientes e transportadoras.

Para isso, experimente usar o marketing de conteúdo para MEI e aplicar nossas estratégias de marketing digital.

Essa é uma das dicas essenciais para ter sucesso no empreendedorismo feminino — e abrir uma MEI Caminhoneira nada mais é do que uma forma de empreender.

Exemplos de mulheres caminhoneiras do Brasil

Para fechar, vamos conhecer algumas mulheres caminhoneiras que servem como exemplo para as brasileiras:

Neiva Chaves Zelaya

Neiva Chaves Zelaya, chamada de Tia Neiva, é considerada a primeira mulher caminhoneira do Brasil.

Ela nasceu em 30 de outubro de 1925 em Propriá, Sergipe.

No início dos anos 1950, tirou habilitação, comprou um caminhão e começou a transportar cargas por todo o país.

Nedisandra da Silva

Nedisandra da Silva, de 45 anos, moradora de Canoas (RS), é motorista de carreta e há 22 anos comanda o volante de Norte a Sul do país.

Ela se formou em administração de empresas, estudando na cabine do caminhão, de onde também fez pós-graduação na área e cursos complementares.

Sheila Bellaver

Sheila Bellaver é uma caminhoneira e influenciadora digital de 39 anos que ficou famosa por dirigir um caminhão cor de rosa pelas estradas.

Ela trabalhou por anos como faxineira até tirar sua habilitação, e hoje é dona de uma frota de veículos rosas com seu nome estampado.

Se você ficou inspirada para também se tornar uma mulher caminhoneira, conte com a MEI Fácil para dar seu primeiro passo e se formalizar! 💙