Atualizado em 03 de agosto de 2021

Se você vende muitos produtos, já deve ter cogitado sobre o uso de código de barras para o seu negócio. Mas, você sabe como funciona? Será que vale a pena para o seu negócio?

Tem um minimercado e pensa como seria mais fácil se tivesse um sistema de código de barras implementado? Vende doces e gostaria de colocar código de barras para facilitar as vendas?

Pequenos detalhes, como o código de barras, podem te ajudar a fazer da sua MEI um sucesso!

Hoje trouxemos uma matéria falando um pouco mais sobre como é o processo para que o Microempreendedor Individual possa gerar código de barras em seus produtos.

Os códigos de barras são como os ‘RGs dos produtos’. Cada item precisa ter uma identificação quando apresenta sabores, modelos, tamanhos e tipos diferentes. Quando seu comércio tem muitos itens de varejo por exemplo, é através do código de barras que o registro da venda se torna automatizado.

Antes de descobrir como colocar código de barras em produtos, vamos conhecer os tipos que existem.

Veja 4 taxas MEI que você pode estar pagando sem precisar!

Quais sãos os tipos de código de barras?

Ao contrário do que se possa imaginar, não existe um órgão oficial responsável por códigos de barras. Eles são produzidos e vendidos por empresas privadas.

Existem alguns tipos de códigos de barras disponíveis para compra, que são:

  • EAN-13: indicado para etiquetas e digitalização de bens de consumo no ponto de venda
  • EAN-8: versão simplificada do anterior, indicado para pequenos itens de varejo
  • DUN-14: indicado para transporte de mercadorias na cadeia de abastecimento
  • Código universal do produto, UPC: indicado para etiqueta e escaneamento de produtos do cliente no ponto de venda
  • QR Code: indicado para bilhetes, como de avião ou concertos
  • Code 11: indicado para indicadores de empresas
  • Code 39: indicado para rotulagem de mercadorias
  • Code 93: para informações de entrega no Canada Post
  • Intercalado 2 de 5: indicado para código de barras em papelão
  • Code 128: indicado para envios, embalagens e sistemas de entrega
  • GS1-128: indicado para aplicação de cadeia de suprimentos
  • Codabar: indicado para bibliotecas e números de rastreamentos
  • Matriz de dados: indicado para setores médicos, aeroespacial, automotriz, entre outros.

Para mais informações, veja aqui!

Aqui no Brasil, o tipo de código de barras mais comum é o EAN-13, formado por um prefixo de país (no Brasil são usados 789 e 790), seguido de um prefixo da empresa e então do código do produto.

Já a entidade responsável pelo controle dos códigos de barra é a GS1 Brasil.

Ah, importante! A ententidade responsável pode mudar em algumas situações, como livros. Nesse caso, eles são controlados pela ISBN – International Standart Book Number, que aqui no Brasil é de responsabilidade da Biblioteca Nacional.

Como fazer código de barras para produtos

Existem duas formas de como fazer código de barras para produtos.

A primeira delas é através da entidade de controle de código de barras, a GS1 Brasil. E a segunda é através de uma empresa terceirizada.

Vamos conhecer cada uma dessas opções e entender qual é a mais indicada para o seu pequeno negócio?

GS1 Brasil

A Associação Brasileira de Automação ou só GS1 Brasil atende de MEIs até grandes empresas. Hoje são mais de 58.000 empresas associadas gerando códigos de barras para produtos.

Para gerar o seu código de barras para produto, você precisa seguir o passo a passo abaixo:

  1. Se afiliar a GS1 Brasil – faça o cadastro da sua empresa, envie os documentos para a análise e fazer o pagamento do boleto
  2. Atribuir a numeração aos seus produtos – utilizando a ferramenta da GS1 Brasil
  3. Selecionar o código de barra – levando em consideração o tipo de código de barras
  4. Aplicação dos códigos de barra – basta imprimir cada código de barra e aplicarno produto
  5. Alinhar as informações dos produtos – manter as informações sempre atualizada para os parceiros comerciais.

Entre as principais vantagens de escolher a GS1 Brasil, estão a gestão de produtos no ambiente online e suporte sempre que precisar.

Já o ponto negativo fica com a necessidade de pagamento para manter sua licença ativa. A taxa de inscrição é de R$ 519, e os demais valores podem ser consultados aqui!

Empresas terceirizadas

Algumas empresas vendem ou alugam o serviço que te permite gerar código de barras por quantidade, de acordo com a variedade de produtos que você quer catalogar.

Se você comprar, paga apenas uma vez por eles e esses códigos ficam disponíveis de forma permanente no seu negócio para que você possa controlar a entrada e saída dos seus produtos, sem anuidade ou taxas adicionais.

No caso do aluguel de código de barras, existem empresas que alugam os códigos e cobram uma taxa mensal e outras que cobram o serviço conforme o faturamento da sua empresa.

Escolhendo a melhor empresa

Para fazer o pedido, basta entrar em contato com a empresa escolhida e conferir as condições. Cada uma possui um cadastro próprio, então basta preencher e seguir as instruções da empresa escolhida.

Procure por aquelas que sejam mais conhecidas e tenham as melhores recomendações! O Sebrae por exemplo, tem parceria com algumas empresas que fornecem código de barras.

Após se associar a uma empresa que fornece um dos tipos de códigos de barras, para começar a usar no seu estabelecimento, é necessário a compra ou aluguel de um sistema, a aquisição de uma impressora que tenha uma impressão de qualidade e, um leitor de código de barras.

Os custos podem variar de acordo com o tamanho da empresa de R$ 2.000,00 (dois mil reais) até R$ 20.000,00 (vinte mil reais).

Como o código de barras pode ajudar sua empresa

Agora que você já sabe o processo para emitir código de barras, vamos conhecer algumas boas razões para que o código de barras faça parte da sua empresa, de acordo com a atividade que você exerce:

Comércio

No comércio, a automação com o código de barras ajuda no controle de abastecimento das prateleiras e gôndolas de forma permanente, pois o sistema alerta assim que o estoque de um produto atingir determinado nível.

Agiliza o cadastro de produtos na sua loja, assim como o controle do faturamento e a emissão de nota fiscal. E ainda:

  • Caso o fabricante faça alteração nas dimensões do produto, essa informação acompanha o código, que nunca muda;
  • A identificação facilita ainda o controle sobre os itens perecíveis, com prazo de validade menor, que são colocados à venda;
  • Com o código de barras, não é preciso digitar dados do produto no caixa e essa agilidade beneficia a empresa e satisfaz o cliente.

Indústria

Na indústria, alguns materiais podem ser classificados e registrados antes de serem colocados na produção. A automação do processo com o código de barras permite identificar um determinado item em toda a cadeia de suprimentos.

Além disso tem outros benefícios:

  • A identificação dos lotes assegura que as mercadorias possam ser rastreadas, beneficiando a gestão logística;
  • A automação com os códigos de barras facilita o trabalho na expedição, tornando-o mais ágil, eficiente e racional;
  • O processo ainda melhora a relação com os distribuidores, donos de lojas e fornecedores.

Em outras áreas como na distribuição e transporte, a automação organiza a grande demanda em centros de distribuição, controlando e identificando cada mercadoria que entra e sai. Se há alguma necessidade especial de armazenagem, a identificação através do código de barras do lote oferece essa informação.

Além da verificação do prazo de validade, o fluxo do processo de entrega e retirada da mercadoria é automatizado quando feito com o código de barras. É possível ainda otimizar a logística por localização das mercadorias e unidades das lojas ou centros de distribuição e recebimento.

Gostou do conteúdo? Ficou com dúvidas? Nos procure no Grupo MEI Fácil.

Também se inscreva na TV MEI Fácil e acompanhe as redes sociais para não perder nenhuma novidade: Instagram e Facebook.

planilha de controle financeiro