A falta de experiência em algumas áreas é algo que geralmente marca as iniciativas do Microempreendedor Individual (MEI). Normalmente o profissional tem a experiência técnica ou operacional, mas quando o assunto é fazer controles e planilhas, principalmente para gerenciar as finanças e entender mais sobre fluxo de caixa, acaba sendo um bicho de sete cabeças para os empresários.

Lidar com o dia a dia do negócio, obrigações e deveres, clientes e toda a gestão já é por si só muito trabalho para o MEI. E, parar para pensar nos detalhes de finanças pode parecer muito complexo no começo para o MEI, porém o fato é que saber certinho como está a saúde financeira da sua empresa abre inúmeros caminhos para o empreendedor, pois dá a ela segurança de tomar decisões sobre onde investir ou se é hora de procurar ajuda ou crédito em alguma instituição para obter o controle financeiro do MEI.

Para ajudar a organização e preparação de um controle efetivo para seu CNPJ MEI, trouxemos algumas dicas essenciais que, levadas à risca, ajudam muito o dia a dia do empreendedor a administrar seu fluxo de caixa.

Entendendo alguns conceitos essenciais do fluxo de caixa

Um primeiro passo importante para o MEI controlar finanças de seu negócio é entender alguns conceitos utilizados pelo mercado. Existem 3 “palavras mágicas” que os empreendedores precisam conhecer para administrar o seu dia a dia de negócio e fluxo de caixa: custos, receitas e despesa.

Confira alguns exemplos de controle financeiro para o MEI:

Custos: no fluxo de caixa, são as saídas do caixa da empresa que se relacionam diretamente ao produto e aos serviços produzidos. Se você MEI produz doces, por exemplo, alguns tipos de custos são os materiais que você usa para produzir seus produtos como açúcar, leite condensado, farinha, embalagens, os gastos que você teve para ir buscar o material (ônibus, Uber, combustível).  

Despesas: são todos os gastos que se referem à manutenção da atividade da empresa MEI e não estão relacionadas ao produto diretamente. Impostos, conta de telefone, tarifas do banco, são algumas contas que você paga mensalmente em seu negócio e também entram no fluxo de caixa, mas não fazem parte da produção do seu produto ou serviço.

Receitas: toda a renda que seu negócio gerar é receita. Ela pode ser obtida pela venda do seu produto ou serviço, mas no fluxo de caixa do MEI também pode-se considerar receita se, por exemplo, você vender um equipamento que estava parado e esse dinheiro entrar em sua conta no mês.

Anotando seu dia a dia e controlando

Ter um controle detalhado das entradas e saídas financeiras do seu negócio (o que é conhecido como de fluxo de caixa) é necessário para que a gestão da empresa possa trabalhar com mais segurança. Esse controle é importante para que você saiba quando dinheiro tem disponível para comprar insumos, investir em seu negócio assim como programar seus pagamentos. Isso garante que você acompanhe o fluxo de caixa e conheça de perto a saúde financeira da sua empresa e amplie suas chances de sucesso como empreendedor.

Você pode organizar seu controle financeiro do MEI de diversas maneiras, desde que tenha as informações corretas. O básico lápis e caderno para dia a dia pode ajudar, mas ideal é que você depois crie uma planilha de Excel para ir organizando o histórico do seu fluxo de caixa.

Acostume-se a diariamente a registrar:

  • Seu saldo inicial: quanto dinheiro você tem disponível naquele dia, isso sem contar valores que podem entrar ou que você vai pagar.
  • Entradas: valores que você recebe pela venda de produtos ou serviços do MEI. É legal que você registre certinho a data de recebimento, a origem de cada receita (venda do que) e anote qual foi a forma de pagamento (dinheiro, cheque, cartão etc.)
  • Saídas: aqui é o momento de registrar o que vai sair de dinheiro, isto é, os pagamentos de contas e seus gastos do MEI.

Assim, você poderá construir seu fluxo de caixa, para administrar seu MEI e entender melhor os processos financeiros do seu negócio.

 

Fuja de roubadas: separe as finanças pessoais das finanças do seu MEI!

Você pode pensar: minha empresa é pequena, eu mesmo faço a administração, não tem problemas em misturar contas, não corro riscos! E esse é um erro comum que muitos empreendedores acabam cometendo.

Mesclar contas não te dá uma visão exata do que é seu e o que faz parte da empresa e aí mora o perigo dos desacertos: quando a empresa MEI está com boa saúde financeira, o empreendedor pode sentir-se à vontade para fazer retiradas sem nenhuma programação. Assim, fica difícil ter o controle do fluxo de caixa e a noção exata de para onde estão indo os recursos do seu negócio. Ou o contrário: você vai tirando dinheiro de sua reserva pessoal para cobrir gastos da sua empresa e não percebe que você pode não estar lucrando o suficiente para manter seu negócio.

Quem nunca ouviu alguma história de empreendedor que estava bem e, de repente, se viu com problemas financeiros? Muitos empreendedores MEI acabam usando os recursos da empresa para uso pessoal e, em um momento de necessidade, falta ao caixa da empresa e isso compromete os negócios! Muitas empresas perderam-se ao terem seus lucros esgotados para arcar com despesas que não diziam respeito à empresa.

Por isso, por mais tentador que seja “pegar um dinheirinho” no seu caixa ou “dar uma ajudinha pro seu negócio tirando da sua conta”, segure-se, faça as contas, entenda o momento e a razão para não bagunçar as finanças e atrapalhar o fluxo de caixa, ou até mesmo arriscar sua empresa.

 

Dicas de ouro para o MEI

Algumas dicas ajudam os empreendedores de sucesso na disciplina financeira dos seus negócios, confira algumas:

  • Disciplina em dia: não deixe de anotar e fazer atualizações periódicas no seu fluxo de caixa. Isso é fundamental para o sucesso da sua gestão financeira. A preguiça de contabilizar hoje pode gerar um erro de contas amanhã!
  • Olho vivo no banco: faça anotação das movimentações bancárias, como recebimento de depósitos, transferência e saques.
  • Controles separados: separe o controle financeiro da sua empresa MEI de suas finanças pessoais. Crie pastas, cadernos ou planilhas para cada um;
  • Cuidado com as contas: não contabilize como saldo positivo – dinheiro na mão – cheques que ainda vão ser compensados ou cheques devolvidos;
  • Cobrança é vida: contas em atraso devem ser cobradas com rapidez para não prejudicar seu fluxo de caixa ou seu capital para operações do dia a dia.
  • Olhe para a frente: tente entender o que você vai ter de entradas e gastos futuros, planeje-se para receber, cobrar e pagar em dia suas contas. O prevenido evita surpresas desagradáveis!

E você MEI, quer compartilhar as suas dicas para administrar seu negócio e entender mais sobre o fluxo de caixa?Deixe suas dicas e sugestões aqui nos comentários!  🙂

 

Siga a MEI Fácil no Facebook e fique por dentro das novidades!