Hoje, 8 de março, é comemorado o Dia Internacional da Mulher. Data celebrada em todo o mundo com o objetivo de reconhecer e mostrar a luta constante das mulheres para conquistar seus direitos sociais, políticos e culturais.

A data foi oficializada em 1975 pela ONU (Organização das Nações Unidas), mas o Dia Internacional da Mulher é comemorado desde o início do século 20.

O dia também é lembrado para chamar a atenção às desigualdades de gênero ainda presentes e pulsantes em todos os níveis da sociedade.

Por isso, elaboramos esse artigo com o objetivo trazer números da desigualdade de gênero no Brasil, mas também inspirar todas a mulheres a continuar sua luta para conquistar o sucesso nos negócios a partir do empreendedorismo feminino. Vem com gente!

Dia Internacional da Mulher: a desigualdade de gênero em números

Os dados de uma publicação do IBGE de 2019, mostram que, no Brasil, os homens ainda recebem salários 22,3% maiores do que as mulheres para realizar as mesmas funções. Se pegarmos cargos de gestores e diretores, esse número chega a 38%.

Para se ter mais uma ideia da desigualdade de gênero presente no país, um pouco mais da metade das mulheres (54,6%), de 25 a 49 anos e com filhos de até três anos estavam empregadas em 2019, já para os homens que estão na mesma situação, a porcentagem é de 89,2%.

E não para por aí: as mulheres ainda precisam lidar com jornadas duplas em suas rotinas.

O pensamento machista, ainda enraizado na sociedade, leva as mulheres a realizarem afazeres domésticos muito mais do que os homens, o que reduz as oportunidades do sexo feminino de encontrar serviços mais bem remunerados.

Fato que comprova isso são as horas semanais gastas pelas mulheres nas tarefas de casa: são mais de 21 horas por semana, enquanto os homens despendem apenas 11 horas. Ou seja, em comparação aos homens, as mulheres ficam praticamente o dobro do tempo cuidando de afazeres domésticos.

Dia Internacional da Mulher e Empreendedorismo Feminino

O principal objetivo do empreendedorismo feminino é diminuir a desigualdade de gênero.

Se vivemos em uma sociedade onde homens e mulheres possuem direitos iguais, por lei, por que no dia a dia as tarefas e remunerações são tão discrepantes?

Quanto mais mulheres buscarem a independência e a autonomia abrindo um negócio próprio, mais a economia crescerá e a desigualdade de gênero poderá começar a diminuir.

E não falamos necessariamente de liderar uma empresa multinacional. Pode ser vendendo bolos, abrindo um salão de beleza em casa ou vendendo roupas, por exemplo.

O principal ponto é melhorar a condição financeira das mulheres, a partir do aumento de renda, do poder de compra e da melhora na qualidade de vida.

É mais comum do que se imagina encontrar relatos de mulheres que estão presas em relacionamentos tóxicos e abusivos porque dependem financeiramente de cônjuge, de modo que, caso decidam ir embora, não vão conseguir se sustentar.

Mulheres à frente dos negócios

Mesmo com todas as desigualdades de gênero mostradas acima, sem falarmos dos aspectos políticos e culturais, a mulher é sinônimo de grandeza, de luta e de resistência!

Existem números de esperança e que devem ser destacados a todos, mostrando a força das mulheres no Brasil.

De acordo com o último estudo realizado pelo IBGE junto à Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), 9,3 milhões de mulheres estão à frente de negócios no Brasil. Em 2018 elas já eram 34% dos “donos de negócio” em todo o país.

Já o GEM (Global Entrepreneurship Monitor), principal pesquisa sobre empreendedorismo no mundo e com dados de 49 países, mostrou, em sua última edição (2018), que o Brasil ficou em sétimo lugar no ranking de proporção de mulheres à frente de empreendimentos iniciais.

Há também o Relatório Especial de Empreendedorismo Feminino no Brasil, divulgado pelo Sebrae em 2019, aponta que 48% dos MEIs (Microempreendedores Individuais) são mulheres.

Por fim, o estudo do McKinsey Global Institute projetou o impacto financeiro de um cenário com participação plena das mulheres no mundo dos negócios: os ganhos no PIB mundial chegariam a US$ 28 trilhões até 2025.

E para comemorar o dia internacional na mulher, nada melhor do que trazer exemplos reais da força e importância das mulheres nos negócios e na liderança.

Selecionamos 5 filmes e 5 livros que relatam o sucesso das mulheres no empreendedorismo, nos negócios e na busca por melhor qualidade de vida.

Confira os títulos e inspire-se nas histórias de sucesso abaixo.

5 filmes sobre mulheres empreendedoras

A Vida e a História de Madam C. J. Walker

A minissérie de quatro episódios mostra a trajetória de vida e empreendedorismo de Sarah Breedlove, a primeira americana negra milionária.

Mesmo lutando contra a padronização da beleza feminina, o racismo, violência e desigualdade de gênero, Sarah Breedlove constrói um império de produtos para cabelo.

Estrelas Além do Tempo

O filme mostra uma inspiradora luta pelo empoderamento feminino e contra o racismo durante a Guerra Fria.

Na obra conhecemos a história de três matemáticas negras da NASA, Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson, as quais lutam para mostrar o seu trabalho e valores mesmo em um ambiente opressor.

Escritores da Liberdade

Protagonizado por Hilary Swank, o filme nos apresenta uma jovem e dedicada professora que se encontra ministrando aulas em uma escola tomada pelo racismo e desigualdade.

Ela então ensina uma turma de alunos adolescentes sobre tolerância, respeito de gênero e cor, autoconhecimento e confiança.

Histórias Cruzadas

Uma mulher que sonha em ser escritora decide escrever um livro durante o movimento de direitos civis nos anos 1960.

Ela detalha o ponto de vista das empregadas domésticas afro-americanas que trabalham para famílias brancas.

Elis

O filme retrata a vida conturbada da cantora Elis Regina desde o começo da carreira até o auge de seu sucesso, quando conquistou o mundo.

É um drama tenso e que traz valiosas lições da mulher empreendedora e determinada que foi Elis.

5 livros sobre mulheres empreendedoras

Beleza Natural – Liana Melo

O livro retrata a história de duas brasileiras que venceram a pobreza e o preconceito, e também todas as dificuldades enfrentadas para criar o salão Beleza Natural.

É uma história nacional que mostra como duas mulheres alcançaram o sucesso se unindo e acreditando em suas ideias.

Girl Boss – Sophia Amoruso

O livro mostra a trajetória de Sophia Amoruso, uma jovem que começou a vender roupas usadas pela internet e, oito anos depois, criou uma loja virtual avaliada em mais de 100 milhões de dólares e com mais de 350 funcionários.

Elas Empreendedoras – Andréa e Bruna Villas Boas

Voltado para as mulheres empreendedoras, o livro analisa como é e como se comporta o empreendedorismo feminino no Brasil.

Possui o depoimento 21 brasileiras de sucesso e tem o objetivo de cruzar dados sobre empreendedorismo e traçar o perfil profissional da mulher empreendedora.

Faça Acontecer – Mulheres, trabalho e a vontade de liderar – Sheryl Sandbergs

Este livro traz possíveis explicações e busca razões pelas quais as mulheres não conseguem alcançar o que desejam em suas carreiras.

A autora mostra soluções práticas e que podem ser aplicadas no dia a dia para que as mulheres consigam atingir o que desejam, sobretudo pela ótica do empreendedorismo feminino.

É uma obra cheia de aprendizados e liderança feminina.

Mulheres Poderosas têm Ambição – Heather McGregor

O livro é repleto de conselhos escritos pela autora e que ela gostaria de ter recebido aos 15, 25 e 35 anos.

São exemplificados elementos importantes que auxiliam as mulheres a conquistar uma carreira bem-sucedida e alcançar os objetivos.

Confira outras indicações de biografias de empreendedores!

Tudo é desenvolvido a partir das experiências profissionais da autora, passando por suas experiências como jornalista, professora e empreendedora.